Criptomoedas
maio 13, 2022

Como investir em Criptomoedas? Tire suas dúvidas para não ficar por fora

Por admin

As criptomoedas se tornaram uma tendência e pode ser lucrativa, mas para isso é preciso ter muita informação sobre o assunto. A tecnologia avançada deixou de ser uma fantasia para virar a mais pura realidade. Além disso, a tendência é que isso só cresça cada vez mais. Dentro deste cenário criou-se um mundo muito real e com oportunidades de investimento.

Como investir em criptomoedas

Um ótimo exemplo são as criptomoedas, (como o Bitcoin), esse tipo de negócio vem ganhando o mercado financeiro e se consolidando. Porém, ainda é um assunto que precisa ser mais comentado, muitas pessoas têm dúvidas sobre o conceito e o atual valor das criptomoedas.

Aqui você encontra as respostas para essas dúvidas, saiba o que são, como devem ser usadas, se vale a pena embarcar nessa e como investir em criptomoedas.

Afinal, o que são criptomoedas?

De acordo com a definição de base, as criptomoedas são moedas digitais descentralizadas, isso quer dizer que não são controladas por algum órgão ou país em específico.  São criadas em uma rede blockchain, é responsável por armazenar com segurança os mais diversos tipos de informações.  Como, as transações financeiras, os registros e os dados de pessoais de quem participa do projeto.

As criptomoedas produzidas no blockchain têm um valor que às vezes pode ser convertido para o dólar ou real, e assim vai.  Por isso, é possível utiliza-las como moeda de troca para adquirir produtos e serviços.

Segundo Fernando Ulrich, autor do livro Bitcoin: A moeda na era digital, a criptomoeda é uma revolução natural da tecnologia.  “O que o e-mail fez com a informação, o Bitcoin fará com o dinheiro”, afirma. Ou seja, o dinheiro poderá percorrer outros caminhos e se tornar totalmente digital.

Ainda seguindo a lógica de Ulrich, os intermediários são desnecessários nessa ação, o que poupa tempo.  “Com o Bitcoin você pode transferir fundos de A para B em qualquer parte do mundo sem jamais precisar confiar em um terceiro para essa simples tarefa”, explica o autor.

Com o tempo, elas foram ganhando espaço e relevância, as empresas seguem interessadas nas transações com criptomoeda. O ponto mais delicado deste investimento é a alta volatilidade.

E como elas funcionam?

Empresário clicando na opção Bitcoin

Estamos falando de moedas digitais, ou seja, é impossível realizar uma troca física com criptomoedas. Elas existem na internet, por isso não podem ser armazenadas em contas correntes, ou cofres, como estamos acostumados. Mas as carteiras digitais, chamadas de Exchanges, realizam a função de guardar essas moedas.

O processo de criação das criptomoedas acontece por meio de mineração feita no blockchain. Assim, as pessoas que contribuem para isso, acabam sendo pagas em criptomoedas, que se tornam disponíveis para circulação. Sempre negociadas diretamente nas Exchanges e também pelos fundos de investimentos ou ETFs a partir de corretoras de investimentos.

Mas para ter a compreensão sobre mercado, precisamos falar de alguns conceitos. Sendo eles, o blockchain e mineração.

O que é Blockchain:

A Blockchain é uma tecnologia de cadeia de blocos de informações. É basicamente um livro contábil público. O banco de dados armazena de forma segura todas a informações que são registradas. Porém, não há a opção de fazer alterações, somente novos registros.

É considerada uma tecnologia muito segura e transparente. Para que um registro seja realizado é necessário que todos os computadores da rede aprovem as informações.  A partir disso as informações se juntam e formam um bloco, que fica registrado para sempre na cadeia.

Blockchain se conecta com as criptomoedas por meio da mineração. Fique atento para entender todo o processo.

O que é mineração?

Pilhas de criptomoedas

Na rede de computadores todos precisam validar uma transação. Porém, apenas um é necessário para formar um bloco, que será colocado na cadeia junto com os outros.

Enquanto isso, as informações permanecem no pool de mineração, esperando para serem inseridas na formação de um bloco.

A pessoa que registra as transações no blockchain é chamada minerador. Pois, disponibilizam o atributo de processamento dos seus computadores para realizar os registros e também fazer a checagem das operações feitas com as moedas. Dessa forma, são remunerados com novas unidades.

Partindo para um exemplo mais prático: Os Bitcoins são criados de acordo com os milhares de computadores que formam essa rede e conseguem resolver problemas matemáticos complexos que verificam a validade das transações incluídas no blockchain.

A mineração simboliza a produção de novas unidades de alguns tipos de moedas digitais. Nesses casos, se houver mais computadores a serem usados para aumentar a capacidade de processamento voltada à mineração, os problemas matemáticos que precisam ser resolvidos se tornam mais difíceis. O objetivo é limitar o processo de mineração.

A operação realmente é extremamente complexa e pode ser divididas em métodos, sendo eles:

  • O proof of work (prova de trabalho), usado para minerar Bitcoins.
  • Proof Of Stake (prova de participação), pode ser feito com menos capacidade computacional. Os operadores têm que comprovar uma certa quantidade de ativos antes de ser liberada a mineração de novas moedas.

Mas para que realmente servem as criptomoedas?

No começo a função delas era apenas ser o pagamento de mineradores na blockchain. Mas hoje em dia, a história mudou. Elas conquistaram o status de meio de troca, podem ser utilizadas para a compra de produtos e consumo de serviços.

Além disso, se tornaram um investimento. Muitos investidores pensam nas criptomoedas como uma ótima reserva de valor.

Assim, algumas empresas começaram a aceitar as moedas digitais como forma de pagamento, fundos de investimento em criptomoedas e entre outras situações.

Quais são as principais criptomoedas do mercado?

Listamos algumas das principais criptomoedas do mercado atualmente. Veja a lista a seguir:

Bitcoin (BTC)

O Bitcoin é conhecido mundialmente, inclusive é o motivo que muitas pessoas se interessam pelo assunto. Só em 2020 chegou a valer 60 mil reais e em 2021 passou para 350 mil, ou seja, tem um grande potencial de continuar crescendo. Aqui você encontra o valor atual do Bitcoin.

Ethereum (Ether)

Ethereum, ou também chamado de Ether, é uma moeda digital descentralizada, que pela plataforma realiza os contratos inteligentes e aplicações na sua própria blockchain.

Neste caso, a mineração no Ethereum é paga em Ether (ETH), pois é a sua criptomoeda em circulação.

Dogecoin (DOGE)

A Dogecoin foi criada como meme, mas chamou a atenção e se tonou relevante no mercado. Muitos investidores, incluindo o bilionário Elon Musk se interessaram pela proposta.

Litecoin (LTC)

Litecoin foi produzida pela inspiração na Bitcoin. Sendo assim, o principal objetivo é ser usada como meio de pagamento.

Stablecoins

As Stablecoins foram idealizadas para ter menos volatilidade, por isso a solução foi atrelar o seu valor a de uma moeda comum. Quando um governo cria uma criptomoeda segue esse padrão.

Vale a pena investir?

Criptomoedas

Falamos de algumas moedas digitais, onde qualquer pessoa pode comprar estes ativos, ou investir em fundos especializados. Mas agora vamos entender as vantagens e os riscos desses investimentos.

Maiores vantagens:

  • Liberdade de pagamento: Usando o Bitcoin de exemplo, é possível transferir ou receber qualquer valor na mesma hora de qualquer lugar do mundo. Essa facilidade é muito atrativa.
  • Taxas baixas: Esses pagamentos de moedas digitais têm taxas baixas ou até mesmo a isenção. Algumas cobranças podem ser feitas se o usuário preferir uma confirmação instantânea das operações.
  • Segurança: Dependendo da transação, é possível realizar o procedimento sem entregar os dados pessoais. Outro ponto é a proteção do dinheiro com cópias de segurança e criptografia.
  • Transparência: As informações ficam disponíveis na blockchain para qualquer pessoa.

Riscos do mercado

  • Grau de aceitação: Nem todos conhecem e confiam nas moedas digitais, isso pode trazer um desconforto para negociações.
  • Volatilidade: Por ser algo novo, não há uma constância certeira.

 

E como investir em criptomoedas?

Se você quer, mas não sabe ao certo como investir em criptomoedas, aqui vai uma dica importante.

Na hora de investir existem alguns caminhos, o mais utilizado é a compra de cotas dos fundos de criptomoedas e negociá-las diretamente em uma corretora especializada. Também é chamada como Exchange, assim aceita as moedas digitais como pagamento em algum negócio ou ainda minerando.

A aquisição de cotas de fundos é uma das maneiras mais fáceis de se investir em criptomoedas. São uma ótima opção para aqueles que querem inovar, mas não se sentem seguros de fazer isso por conta própria.

De qualquer forma, investir em criptomoedas é uma tarefa que requer estudo, assim como outros investimentos. Ainda mais por ser um ramo novo, porém vantajoso. Se tem interesse siga pesquisando e entrando em contato com pessoas que já estão no meio.